segunda-feira, 9 de julho de 2012

Paguem royalties a Napoleão.

Napoleão Bonaparte foi um cara amado e odiado em seu tempo. Substituiu a ambição religiosa pela glória militar no imaginário francês. Vendeu-se como o governante ideal aos anseios burgueses na França pos-revolucionária. E não foi só. Pilhando estátuas, quadros e manuscritos dos derrotados de suas batalhas pela Europa, engordou o Louvre a ponto dele se tornar o maior museu a sua época. Mas acabou desterrado. Quando reis eram decaptados, deve ter sido aliviante, a um imperador, ser apenas exilado.

Napoleão rende inúmeras piadinhas, das mais infames às mais inteligentes. Rendeu recentemente um livro em que tentarm enxergar naquele temperamento megalômano e criativo a excelência de um CEO de empresas multimilionárias. Mas está perdendo a fama. Se pergunto aos meus filhos qual era a cor do cavalo branco de Napoleão, eles acertam a resposta, mas vêm com a dúvida: quem era Napoleão, mamãe? Quando era eu com a idade deles, questionaria: é, mas já vi num livro um quadro dele montado em cavalo marrom.

Quase duzentos anos após sua morte, que apelo Napoleão poderia ter para a garotada?

Eu também acho que nenhum.

Mas então abro uma caixa de chicletes Mentos, que vem com o nome UP2U, em que o truque é, na mesma embalagem, você ter 7 unidades de chiclete sabor tutti-frutti mentolado e 7 chicletes sabor menta. Qual a jogada? Na dúvida entre um sabor e outro, leve os dois. Até aí, nada de mais. Um case banal de marketing.

Até que você se depara com uma citação de Bonaparte no interior da embalagem:

“Nada é mais difícil, e por isso mais precioso, do que ser capaz de decidir.”

Putz, perdi a vontade de mascar o chiclete. Não é possivel que precisem de tanto aval e gravidade para vender uma simples caixa de chiclete que, por si só, já é vendável em sua embalagem prata toda linda.

Fico pensando que raio de briefing deve ter gerado a necessidade dessa citação, que coordenador de comunicação ficou cavando o Google à noite para propor à sua gerente que propôs ao seu diretor que usassem a frase de Napoleão para apoiarem o novo lançamento. E fico imaginando o atendimento da agência recebendo o briefing e repassando a frase para o incrédulo diretor de criação, que se vira para o redator, que lê a frase escrita no papel, que reclama:

“Eu não escrevo esta campanha. Paguem royalties a Napoleão.”

Nada é mais ridículo do que quando o marketing quer emprestar gravidade àquilo que absolutamente não precisa ter.

Mas, no final, a campanha sai do mesmo jeito. Só fica o lamento por Napoleão, de novo alvo de piadinhas.

Um comentário:

Elton Sipião O Anjo das Letras. disse...

Desde muito pequeno sempre admirei Napoleão Bonaparte, agora o porquê desta admiração eu acredito que quando criança eu não saberia explicar. Hoje já adulto digo que admiro a liderança, a determinação em atingir seus objetivos, o estrategista fantástico de guerra que Bonaparte era, a mente brilhante e sendo assim o homem inteligente que ele fora. O que lamento nele é o fato de ter sido um dos “Senhores da guerra” da história humana, e eu sinceramente não gosto de homens que gostam de fazer guerra. Mas minha admiração por Napoleão transcende o homem da guerra que infelizmente ele foi. Acho que o gênio dele poderia ter sido melhor aproveitado em outras áreas mais necessárias para o bem da humanidade. Neste aspecto gosto mais de Mahatma Gandhi. Concordo contigo em relação a essas jogadas baratas de marketing, um produto banal como um chiclete não precisa de forma alguma pegar a gravidade e a seriedade de uma frase como essa, falo da frase napoleônica citada nesse seu texto e usada pela marca de chiclete em questão. Napoleão foi e é tão genial que nunca será esquecido. Pena que muitas vezes é lembrado em “piadinhas escabrosas” como tu bem lembraste. Lembrei-me de um comercial dos postos Ypiranga que um médico de um sanatório conversa com dois de seus pacientes, um deles está caracterizado de Napoleão. É curioso o fato de que muitos loucos dentro de sua insanidade mental, se achar ser o próprio imperador francês Napoleão Bonaparte. Talvez seja porque e não sei se tu concordas comigo, Bonaparte é uma dessas figuras históricas que povoam o subconsciente coletivo, como é o caso do lendário cantor norte-americano Elvis Presley. Beijos poéticos querida, eu amei teu blog de crônicas, eu também tenho um blog literário. Achei o teu blog em uma propaganda na barra lateral do site literário “Recanto das Letras”. Tu escreves divinamente muito bem. És uma cronista de mão cheia.
http://eltondasneves.blogspot.com.br